Pesquisar este blog

22 novembro 2011

Marcadores: ,

Valho, intervalo

Compartilhar
Que nome dar?


Recorte do cartaz de "Uma carta de amor" (1999)

Uma das melhores coisas da vida é saber que nome dar às coisas. Talvez a melhor coisa da vida é saber o nome que se dá às esperas. Segundos, minutos, dias, semanas, meses, anos, décadas. Tendo um nome o intervalo, você sabe em quanto tempo vai chegar. E saber acalma, conforta. Pode ser o macarrão instantâneo, pode ser a entrega daquela encomenda, as próximas férias, o tocar do aguardado telefonema. Três minutos, cinco dias úteis, quatro meses, duas horas e meia, não importa, tem um nome o espaço de tempo, tem um nome o prazo, então você sabe que vai chegar. Mas e quando você espera pelo amor, pela chegada ou pela volta, mas espera pelo amor? E quando você espera pelo esquecimento de um amor? Primeiro você pensa que serão algumas semanas, alguns meses e, de repente, quando se dá conta, está há anos contando a mesma história, deixando de contar a mesma história, esperando pela mesma pessoa ou fingindo que não sabe de quem se trata, enquanto à noite a última imagem que vem à mente antes de dormir é a dele (e talvez a primeira ao acordar). Quanto tempo para chegar um amor? Quanto tempo para esquecer um amor? Não seria maravilhoso virar de costas e encontrar no reflexo do espelho letras miúdas destacando em um "modo de usar" o tempo para você alcançar a felicidade? Você pensa que vai surgir alguém em breve, mas breve não deve ser a palavra exata para uma longa espera. Você pensa que vai esquecer aquele amor no próximo ano, mas o ano de referência para o próximo ano se torna sempre o próximo, e o próximo, e o próximo... Era para durar uma semana e uma semana se transforma em "para sempre" sempre quando não se quer. Só que eternamente é ternamente um afago quando se fala de estar juntos, mas cruelmente uma dor quando se fala na repetição diária e sem saída da ausência. Me incomoda não encontrar alguém que me faria um duplo favor: fazer o amor chegar e fazer eu te esquecer. Mas se alguém chegar e me fizer te esquecer não será apenas uma forma de ter sempre ao meu lado uma lembrança sua? Vou chegar às festas e apresentá-lo como? "Oi, pessoal, esse aqui é o fulano que me fez esquecer o amor da minha vida"? Até quando você vai ser a referência, a medida, o tempo? A "hora certa" não engana mais, é como falar de "Papai Noel" a uma criança que nunca ganhou presentes. O que eu queria era uma medida capaz de em uma única palavra marcar o tempo de a gente se reencontrar ou de eu deixar de te esperar. Não é justo a vida oferecer o "nunca" a quem vive sempre, sempre amando, sempre esperando alguém. E até quando eles vão chegar e eu vou continuar querendo você? Eles sempre foram a pausa e você a minha vida em execução. Quando conto de nós, sempre perguntam curiosos sobre você: "O que ele faz?". "Falta", eu respondo. Você sabe, você sabe que faz falta, é só a falta que não sabe o que faz. A verdade é que eu preciso saber quando vai acabar ou preciso que você volte e faça realmente não ter fim. Eu poderia mentir e dizer que nem ligo mais, mas eu tenho chamado esta espera de amor, e se é amor você também deve estar esperando, e se é amor eu sei que valho o intervalo.

24 dos desabafos - DESABAFE!:

  1. MAIS UMA BELISSIMA OBRA DO RUUU,PARABENS QUERIDO

    ResponderExcluir
  2. Se é amor que se teve em algum momento também pode surgir um novo amor novamente em outro tempo ou neste tempo se abrirmos as portas que nos descerrram, é isso ai, tenho pensado assim diante das supostas oportunidades de se apaixonar novamente e acreditar no fim tem parecido mais viável.Desabafei!!!!
    Parabéns por outra obra fantástica a presntear nossa leitura, bjus!!!!

    ResponderExcluir
  3. Ru, sempre demais! Sua crônica me fez lembrar uma canção lindíssima da banda Biquini Cavadão, "Quanto tempo demora um mês"

    "...Mas agora você vai embora
    Quanto tempo será que demora
    Um mês pra passar?

    A vida inteira de um inseto
    Um embrião pra virar feto
    A folha do calendário
    O trabalho pra ganhar o salário..."

    Tempo é relativo, muito, pouco, depende da perspectiva de cada um e daquilo que resulta esse intervalo, mas você descreve brilhantemente a agonia e o vazio que ele nos causa.

    Parabéns pelo aniversário do blog!
    Mais uma vez lindas palavras de conforto!
    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Sempre que leio seus posts eu tenho a impressão de ter encontrado o meu sósia que está "perdido" em qualquer lugar do mundo. hehehehe
    Se você escreve o que você sente, você sente o que eu sinto.
    Então você é a Gi em outro lugar.
    hahahaha

    Beijos.
    Gi.

    ResponderExcluir
  5. digitei no google "em que acreditar" e apareceu o seu blog, no texto "Tenha fé para ficar de pé", me identifiquei muito e vim aqui lhe prestigiar e contar também q o usei no meu facebook. heheh
    Sem deixar de dar os créditos a vc e para q meus amigos tb tenham acesso a essa página maravilhosa q vale mt a pena ler!
    O pouco q li me apaixonei e estarei sempre por aki.
    Beijos e parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Me lembrou um trecho do "O pequeno príncipe", em que a raposa pede para o pequenino vir sempre na mesma hora para que ela começasse a ficar feliz antes da chegada dele. Acho que é isso mesmo. Seria mais calmo. Mas a vida não foi feita assim, né?!

    beijos daqui...

    ResponderExcluir
  7. Ficamos dando nomes aos sentimentos quando eles é que deveriam dar nomes a nós!

    Flor, tô seguindo!

    Se puderes passa no meu e segue:
    http://leilakruger.com.br

    Escrevo(tenho publicações em antologias) e tô lançando meu primeiro romance, "Reencontro", pela Editora Novo Século. Para conhecê-lo melhor, clica no hot site, que tem o primeiro capítulo, mais informações sobre o livro e a autora e como comprar, se desejares (tá em promoção na internet):

    http://www.leilakruger.com.br

    É uma história emocionante sobre acreditar nos próprios sonhos, no amor (real, e não o que ouvimos falar por aí) e em reencontros!

    Uma ótima semana.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Ah, de repente podemos fazer uma parceria de divulgação! O que achas? Entra em contato no blog se puderes.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Olá! Bom dia.
    Não é a primeira vez que venho aqui no seu blog, já faz tempo que venho lendo uma coisa aqui, outra ali...mas sempre assim, escondidinha. Hoje, ao ler seu texto, fiquei realmente tocada com o que você disse. Já houveram outras coisas que também me chamaram atenção - o que me fez voltar, claro! - mas essa em particular, foi a que tocou lá no fundo!! Por isso, resolvi deixar também meu desabafo! rs
    Pode ser porque todos nós buscamos qualquer fio de certeza em algo tão abstrato, que é uma espera de amor. Seja para que volte, seja para que vá. E o tempo, se torna uma contagem concreta, aquela esperança de que algo está vindo, basta esperar mais um pouquinho...
    Há sempre uma esperança, mesmo que triste. E há sempre um futuro, melhor, acredite. Só basta a gente querer assim o fazer. Deus nos dá todas as ferramentas, abra os olhos, e abra bem o coração e escolha a ferramenta certa.

    Mais uma vez, lindo texto! Parabéns e boa sorte com a contagem do seu tempo.

    Muito prazer, Barbara Barros

    ResponderExcluir
  10. Conheci seu blog hoje e não consigo ler um texto sem ficar com vontade de chorar, ou chorar muito de verdade.

    Total identificação com a maioria deles.

    Sempre penso que sou o único que passa por tudo isso, mas vejo que existem vários outros "de mim" por ai!

    Visitarei todos os dias!

    ResponderExcluir
  11. Cris,
    Que bom que gostou, mocinha! E linda a letra do Biquini. :) Obrigado por fazer parte destes quatro anos do blog! Beijos!

    --
    Gi,
    Fico muito feliz por você sentir que falo por você, para quem escreve não há satisfação maior do que ler isto. :) Obrigado!

    --
    Carolina,
    Bem-vinda e muito obrigado! :P

    --
    Camila,
    Seria mesmo mais calmo, o ruim é espera sabendo que não vai mais chegar... mas um dia passa, sempre passa... Beijos!

    --
    Leila Kruger,
    Se os sentimentos nos dessem nomes, íamos ouvir tantos corações gritando "covarde", "cafajeste"... melhor não! ;)

    --
    Barbara Barros,
    O prazer é meu! Obrigado por ler sempre e desabafe mais vezes, mocinha! Bom tempo para a gente e que o que buscamos chegue logo, quando tiver que chegar! :) Beijos!

    --
    Júlio Marinho,
    Em um mundo de insensíveis, eu te agradeço por se emocionar com o que eu escrevo. MUITO obrigado e fique bem, mocinho! :D

    ResponderExcluir
  12. Oi eu vi seu blog e resolvi da uma espiadinha :D e gostei muito dele! espero que me visite e de sua opinião bjosss e boa noite.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fenix,
      Obrigado, mocinha! Como visito o seu? :) Beijo!

      Excluir
  13. Seu texto é excelente. Sempre vale da um tempo se for por amor.
    Adorei conhecer seu blog, é excelente.
    Tomei a liberdade de estar seguindo pra voltar outras vezes. Convido a conhecer meu blog e seguir-me também . Ficarei feliz em ter ver na bandeija dos membros.
    Um abraço e ótimo restinho de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Smareis,
      Muito obrigado, que bom que gostou! Estou lá já! Beijo!

      Excluir
  14. Fiquei até intimidada de comentar aqui!
    Dei uma passeada pelo blog e cada coisa mais linda que a outra. Você comove todo mundo.
    e faz todo mundo participar junto com você.

    Tenho um blog também e você virou assunto entre as minhas amigas! Positivamente é claro!

    Parabéns pela personalidade!

    Bjos Camila
    www.noitedasmeninas.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Camila Faria,
      Não se intimide! Muito feliz pelo assunto entre as suas amigas! Beijão, viu? :) Obrigado!

      Excluir
  15. Bom dia.
    Desculpa o incomodo, mas venho hoje pedir que olhe com carinho meu blog de resenhas literárias, o O Leitor.
    Se puder fazer parte, agradecemos.

    Obrigada e uma ótima quinta-feira. Beijos,

    Pamela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pamela moreno santiago,
      Como faço para participar? Beijo! :)

      Excluir
  16. Dói olhar para a outra vida e ver que ela continua em execução. E você ali, na pausa, a espera que a em algum momento a vida refaça o reencontro para que sua execução continue.
    Nesse congelamento, sem esperanças, a única coisa que se espera é que essa espera sem fim termine e que de alguma forma a vida mostre como continuar, que ela nos mostre que há continuação para aquela execução, uma continuação que não necessariamente precise daquela outra vida para continuar. A vida tem que reinventar um novo fim. Esperamos que não demore.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que deixe de doer e que realmente não demore para você! :) Beijo!

      Excluir
  17. Já tinha vindo aqui outra vez e resolvi voltar hj. E, me deparei com um texto que é o que estou passando hoje. rs
    Pois é, fico na espera das coisas acalmarem aqui dentro. E, nesta espera, racionalizo como sair desta situação: conhecendo alguem, supervalorizando os defeitos dele...
    Mas e quando durmimos e sonhamos com quem queremos esquecer...como faz?!

    Não tenho outra saida a não ser esperar, deixar morrer... é assim mesmo! Bola pra frente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma hora o sentimento passa, fique bem e qualquer coisa, leia uma das entrevistas do blog, pode ser que te ajude: http://www.eusoqueriaumcafe.com/2013/01/entrevista-como-esquecer-um-grande-amor.html Beijo!

      Excluir

Obrigado, pela visita. Aproveite e DESABAFE você também!

"deixa, deixa, deixa eu dizer o que penso dessa vida, preciso demais desabafar"
(Ronaldo Monteiro/ Ivan Lins)

As opiniões e vontades expressas nos comentários não representam a opinião do autor deste blog.

Assine nosso feed!


Comentários não relacionados aos posts e/ou só para deixar links serão excluídos e o comentarista denunciado ao Blogger como spammer.

Fale com o blog

Envie o seu email para o blog.

Nome E-mail * Mensagem *