Pesquisar este blog

27 setembro 2011

Marcadores: ,

Nossa filha

Compartilhar
O que todo amor deixa
Te amarei para sempre
Cena de Te amarei para sempre (2009)

Todo amor costuma deixar frutos. Pode ser um carro que compraram juntos para sempre chegarem ao mesmo destino, pela mesma estrada, um apartamento no qual viveram aquela parte da vida em que "foram felizes para sempre", aquele edredom que esquentou os corpos quando o frio chegava e a paixão não era mais tão quente o suficiente, aquele gato ou cachorro de estimação que alegrava tardes vazias de domingo, e tem também aquele fruto tradicional deixado pelo amor: filhos, um filho ou vários. Para todos, todo amor costuma deixar frutos. Para mim, todo amor costuma me deixar. É, continuo exagerado, mas sincero. Nosso amor deixou frutos, um filho, uma criança confusa e mal resolvida com dupla personalidade, que costuma atender por dois nomes: distância e saudade. Você só reconhece uma parte, um lado desse nosso filho - a distância - registrou em cartório e a mostra com orgulho aos amigos em qualquer encontro. A outra parte você nega paternidade, talvez nem com exame de DNA você reconheça, mas não dá para negar, é a sua cara, é a nossa cara, e eu sei que é ela que te faz acordar no meio da noite, doendo o peito como uma criança que grita de fome ou de dor. É essa saudade, fruto nosso, que te faz se interessar por eles, mas sempre achá-los incompletos, que te faz achar que está seguindo, mas que deixou alguém para trás, que há algo faltando, que está tudo bem, nunca tudo ótimo. E eu tenho criado sozinho esse nosso filho, sou pai solteiro, daquelas histórias clássicas de quem se apaixonou, se entregou, ganhou algo para criar para sempre e depois foi esquecido. Mas é até bom, pelo menos você não me deixou sozinho, tenho aqui comigo esse filho, que às vezes se chama de saudade, às vezes se chama de distância. O bom que filho é para sempre, né? E quando esse filho começar a perguntar de você eu só não sei se vou dizer que te amei muito ou que ainda amo, que você partiu e nunca mais volta ou que você vai voltar. O tempo não volta, mas a saudade volta sem sequer ter partido, me deixando partido. No entanto, vou contar histórias felizes, não preciso ser triste só porque não te tenho mais aqui. Ninguém fala das histórias de amor que não deram certo ou que não duraram, essas histórias, mesmo que por vezes ainda mais bonitas, nunca chegam aos contos de fadas. Então eu quero que nosso filho aprenda que nem sempre vai dar certo, mas que o importante não é durar, é amar, ainda que termine, ainda que se ame só, ainda que doa, se você amou é isso que vai te confortar quando o mundo parecer pequeno demais para abrigar todas suas dúvidas. Desculpe qualquer devaneio, desculpe qualquer delírio, mas se ainda der tempo eu só queria saber o que fazer quando a falta se torna o que há de excesso em nós? Eu só quero não enlouquecer e dizer ao mundo que ficou algo de nós no mundo: se a minha ausência da vida dele fosse uma criança, ela já teria dentes, já estaria no jardim de infância e as primeiras palavras que ela diria seriam: "Volta. Amo. Tenho. Saudade". Talvez não assim, talvez não para você ouvir. Todo amor deixa, todo amor é a deixa para se ser feliz, na presença, na ausência, na eternidade ou na saudade.

8 dos desabafos - DESABAFE!:

  1. Adorei, mas falar de saudade é me deixar meio sem palavras, é algo tão estranho de sentir... Estranho e bom! Me fez lembrar muitos momentos!!

    ResponderExcluir
  2. Obs: ADORO "Te Amarei Para Sempre"
    :D

    ResponderExcluir
  3. PQP!!!! Desculpe depois de um texto tão lindo, inicar um comentário assim... mas não encontrei nada que definisse melhor o que eu gostaria de dizer aqui... =)
    Vale a pena "esperar" para te ler... sempre!
    Bjks!

    ResponderExcluir
  4. Lindo... lindo!

    É só o que consigo expressar após ler-te!

    Brilhou como sempre! *-*

    ResponderExcluir
  5. Lindo mesmo, meus olhos encheram de lágrimas talvez não tenho nada que postar aqui sobre isto só me vem lembranças e é melhor só lembrar e me alegrar de uma forma e entristecer de outra. Esta filha carregamos com pesos variados e aguentamos a caminhada talvez até encontrar outra para exercemos outra paternidade.
    Lindo, parabéns, bjus!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. - Thiago -,
    Saudade é por vezes estranha mesmo, é aquele filho que ninguém quer ser o pai... às vezes, às vezes. Obrigado! :D Beijos!

    --
    Simone Aline,
    MUITO OBRIGADO! PQP diz muito e te agradeço por me dizer isso sobre a crônica! :) Beijos e obrigado, mocinha!

    --
    Emanuelle,
    Lindo é ler esses desabafos generosos de vocês comigo! OBRIGADO! :P Beijos!

    --
    Luiz Hick,
    Obrigado, que bom que se emocionou! :P Essa filha saudade têm esse nome na infância, acho que com o tempo ela amadurece e ganha nomes mais felizes, quem sabe, né? ;) Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Lindo texto, Ru!
    Sempre profundo e sempre falando de coisas que assombram o coração...
    Me emociono todas as vezes que leio uma de suas publicações...
    Adoro o jeito que vc escreve!
    Parabéns por mais esse belo desabafo!!
    Bjos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito feliz por leu seu comentário! Que bom que gosta do que escrevo! Muito obrigado! :D Beijo!

      Excluir

Obrigado, pela visita. Aproveite e DESABAFE você também!

"deixa, deixa, deixa eu dizer o que penso dessa vida, preciso demais desabafar"
(Ronaldo Monteiro/ Ivan Lins)

As opiniões e vontades expressas nos comentários não representam a opinião do autor deste blog.

Assine nosso feed!


Comentários não relacionados aos posts e/ou só para deixar links serão excluídos e o comentarista denunciado ao Blogger como spammer.

Fale com o blog

Envie o seu email para o blog.

Nome E-mail * Mensagem *