Pesquisar este blog

10 novembro 2010

Marcadores: , ,

O que sobrou do que não houve

Compartilhar
Em meio às cinzas
Obrigado por fumarRecorte do cartaz de Obrigado por fumar (2006)

"Sinto falta até da fumaça do seu cigarro"
(Fabiola Porto)


Talvez, a nossa história de amor poderia ser a de muitos. Você apareceu. Você me conquistou. Eu me apaixonei. Você desapareceu, o sonho não. Fim. Nosso amor é hoje o que sobrou do que não houve. Procure em algum cinzeiro, você deve ter me assado em meio a alguma das cinzas do cigarro que eu não me importei por você acender. Havia tanto fogo, quando foi que a gente se apagou assim? Será que além de se comer a gente não poderia tentar se digerir? Será que eu não te agitei o bastante antes de consumir? Ou não vi alguma das fotos que apontavam o efeito de te ter ou de te desejar em excesso? Só sei que eu acreditei, e o mais triste disso tudo não é que você não cumpriu nada do que me disse, o mais triste é que eu continuo acreditando e conferindo no mundo se você não está em algum lugar me esperando e eu é que não te vi ainda. Eu queria poder repetir mil vezes por cada dia que me restar aquele nosso dia no seu carro, o nosso apetite registrado no vidro embaçado, na minha boca o gosto do seu cigarro. E eu não tenho raiva por sentir que você só queria se aproveitar de mim, eu te odeio por você não ter se aproveitado muito mais, imbecil. Enquanto eu supero isso (a gente supera?) eu vou encontrar algum jeito de enganar a saudade quando eu sentir o cheiro detestável de fumaça de cigarro, que com você se tornou tão agradável, e eu prometo nunca mais ouvir Kid Abelha. Eu não ia me importar com a sua fumaça, eu não ia me importar com a sua cerveja, eu iria ignorar a sua maconha. Mas o barato que você busca não era tão bom quanto o que eu trago dentro do coração. O que eu trago dentro das calças não era tão viciante quanto a sua erva. A nossa diversão não devia compensar a distância que a gente percorria para se ver, eu sei, eu não merecia um espaço na sua agenda, eu nunca me tornaria o feriado da sua semana, ainda que para mim você fosse as férias de qualquer dia útil. Confesse, você me achou uma droga, mas eu seria a sua droga, e eu te pergunto: isso já não seria motivo suficiente para você me amar? E, queimando mais devagar do que o mais lento cigarro, eu guardo no peito uma esperança de alguma buzina ser a sua, com você sorrindo me pedindo para entrar e me levando sem destino, com a alegria no banco de trás. Não faz sentido, eu sei, você não é meu tipo, mas é por isso que eu te quero tanto. E desde que você se foi eu tenho dito às pessoas que não é nada, que estou apenas muito cansado e algumas vezes, para evitar dizer seu nome outra vez, eu invento que acabei de picar cebolas. E desde então eu tenho vivido de desculpas sem encontrar de quem é a culpa, sua de ter prometido ou minha de ter acreditado. Só não se preocupe, eu vou guardar comigo alguma versão da nossa vida na qual a gente tenha se despedido, se tornado amigo e visitado um ao outro para contar da vida de vez em quando. Recriar a realidade é o único antídoto para a falta de quem não vai voltar. Assim a vida continua e com ela às vezes a saudade e o amor também e um coração com novas cicatrizes e a vontade de voltar a bater (ainda que pela mesma pessoa) e se reacender entre cinzas de paixões que queimaram e se foram antes do que deveriam.

11 dos desabafos - DESABAFE!:

  1. "Assim a vida continua e com ela às vezes a saudade e o amor também e um coração com novas cicatrizes e a vontade de voltar a bater (ainda que pela mesma pessoa) e se reacender entre cinza de paixões que queimaram e se foram antes do que deveriam."


    Simplesmente PERFEITO Ruleanderson.

    Parabéns por ter dito tudo que eu não tenho coragem pra dizer... =(

    ResponderExcluir
  2. Ontem, quando li seu texto, inevitavelmente chorei. Ponto pra você, que acerta na mosca, que usa exatamente as palavras certas. Sou seu fã.

    ResponderExcluir
  3. Luba,
    Muito obrigado, mocinha, fico feliz por ter gostado! :D E cria coragem aí para dizer tudo que sente vontade! ;) Beijos!

    --
    Coxx,
    Não chore, moço! (risos) Fico feliz por ter gostado da crônica e gostar do que escrevo. Obrigado! :)

    ResponderExcluir
  4. Ru, ameeeeeeeeei sua crônica.
    Como já falaram aqui, você escreve tudo o que gostaríamos de dizer.
    "Sinto falta até da fumaça do seu cigarro". CONCORDO TOTALMENTE, eu realmente sinto falta "/
    Parabéns Ru, você é incrível, a cada crônica você se supera, sou sua fã.
    Beijooos =***

    ResponderExcluir
  5. Ma,
    Muito obrigado! :D Agora só para reforçar a frase que você cita não é de minha autoria, é da Fabiola Porto, música do Grupo Elas, ok? ;) Beijos! E obrigado por gostar do que escrevo!

    ResponderExcluir
  6. O desabafo é uma verdadeira hemorragia, muito doído e verdadeiro. Lendo o texto eu fiquei refletindo sobre a dificuldade que é livrar-se dos mortos que não morrem e nos assombram como fantasmas ao longo da vida. Engraçada mania que nós temos de ainda manter vivo algo que dói, machuca e consome. Será masoquismo insconsciente?rs Quantas vezes me vi refém de pensamentos tristes. O tempo não volta, cada dia que passa mais tenho esta certeza. Lindo texto. Super reflexivo mesmo. Abraços e parabéns.

    ResponderExcluir
  7. Edilson Cravo,
    O ruim é quem antes de "morrer" alguns se tornam especiais, cativam um lugar em nosso coração e não se tornam responsáveis por aquilo que te cativaram... É doído mesmo, mas a gente sobrevive! :D

    ResponderExcluir
  8. Ru do céu....que texto MARAAAA!!!!

    Simplesmente PERFEITO como todos os seus outros...e enquanto eu não consigo colocar em palavras tudo aquilo que sinto, me delicio ouvindo você falar por mim: ...."Só sei que eu acreditei, e o mais triste disso tudo não é que você não cumpriu nada do que me disse, o mais triste é que eu continuo acreditando e conferindo no mundo se você não está em algum lugar me esperando e eu é que não te vi ainda...."

    Ser iluminado...Obrigada por suas palavras!!!!

    E...'Sinto falta até da fumaça do seu cigarro'...

    Beijos...

    ResponderExcluir
  9. Cá Dreyfus,
    Oh, mocinha, obrigado! Que bom que você gostou! :D Obrigado e beijos!!!

    ResponderExcluir
  10. Que texto é esse ? Sou meio contra palavrões, mas só uma palavra pode servir como adjetivo nesse momento: FODA ! Cada letrinha, acentos, vírgulas e pontos. Até hoje é sem dúvida o melhor texto que já li. AaaaaaaaH, amei, amei, amei... =D

    ResponderExcluir
  11. Nair Bombardeli,
    (risos) Obrigado, mocinha! Fico feliz por esta crônica ser a sua preferida, gostei muito de escrevê-la mesmo! Beijos e muito obrigado! :D

    ResponderExcluir

Obrigado, pela visita. Aproveite e DESABAFE você também!

"deixa, deixa, deixa eu dizer o que penso dessa vida, preciso demais desabafar"
(Ronaldo Monteiro/ Ivan Lins)

As opiniões e vontades expressas nos comentários não representam a opinião do autor deste blog.

Assine nosso feed!


Comentários não relacionados aos posts e/ou só para deixar links serão excluídos e o comentarista denunciado ao Blogger como spammer.

Fale com o blog

Envie o seu email para o blog.

Nome E-mail * Mensagem *