Pesquisar este blog

29 maio 2010

Marcadores: ,

Entrevista - Amor patológico: quando o amor se torna doença (Eglacy Sophia)

Compartilhar
Carência e cuidado excessivos são sinais de amor doentio

Filme Crepúsculo
Imagem promocional de Crepúsculo (2008)

Para o filósofo grego Aristóteles, as paixões ou pathos são sentimentos que fazem variar os julgamentos das pessoas e que são seguidos de tristeza e prazer. A patologia é o estudo das doenças que causam sofrimento - pathos - ao homem de diversos modos. Um pouco distante do final feliz que muitos casais idealizam para seu relacionamento, paixão, doença e amor podem estar mais próximos do que se pensa. "Há pessoas com carências afetivas em várias áreas e que suprem tais carências com um cuidado excessivo no relacionamento amoroso", diz a psicóloga clínica Eglacy Sophia. Mestre em Ciências e também supervisora do Setor de Amor Patológico do Ambulatório Integrado dos Transtornos do Impulso (Amiti), do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Eglacy avisa: "o amor patológico quando não tratado pode provocar até doenças crônicas no indivíduo".


Para a senhora, qual a definição psicológica do amor?
E: Existem dezenas de definições de amor, desde o amor a Deus, a um ser superior, até um forte sentimento de afeição e vinculação entre duas pessoas que se relacionam amorosamente. É sobre esse segundo significado que meu estudo no Amiti está sendo pautado e que abordarei nessa entrevista.


O que caracteriza o amor patológico?
E: Amor Patológico é o comportamento excessivo de prestar cuidados e atenção ao parceiro, de modo que o indivíduo abandona atividades e interesses anteriores ao relacionamento.



O amor patológico pode ser direcionado exclusivamente a um parceiro do indivíduo ou é um modo da pessoa de amar a todos?
E: Existem pessoas com carências afetivas em várias áreas e que suprem tais carências com diversos comportamentos excessivos, como o uso de drogas, jogo patológico, compras compulsivas, etc. O amor patológico, no entanto, é uma conduta voltada para o relacionamento amoroso, ou seja, é um tipo de vinculação patológica exclusivamente com o parceiro.
Amor patológico não é uma questão de quantidade de amor, mas sim de qualidade do vínculo amoroso"

Há indivíduos que ao invés de se preocuparem e cuidarem em excesso do parceiro acabam por idolatrá-lo e por ceder a todas às vontades do outro. Esse tipo de amor também é patológico?
E: Sim. Esses exemplos de condutas costumam ocorrer com o indivíduo que apresenta amor patológico.


Como o indivíduo pode avaliar suas atitudes e descobrir que ama de modo doentio?
E: Existem critérios para avaliação do amor patológico, os quais merecem uma auto-avaliação quando o indivíduo percebe que sua maneira de amar não está saudável. Caso o indivíduo apresente mais que três, deve procurar ajuda de um especialista. São eles:

· Sintomas de abstinência (como angústia, taquicardia e suor) na ausência ou no distanciamento (mesmo afetivo) do parceiro;
· O indivíduo se preocupa excessivamente com o parceiro;
· Atitudes para reduzir ou controlar o comportamento de cuidar do parceiro são mal-sucedidas;
· É despendido muito tempo para controlar as atividades do parceiro;
· Abandono de interesses e atividades antes valorizadas;
· O quadro é mantido, apesar da pessoa estar consciente dos problemas pessoais e familiares.

Filme Lua Nova Recorte do cartaz de Lua Nova (2009)


A questão do cuidado excessivo, por vezes, perpassa a idéia de ciúme. Qual a relação do ciúme com o amor patológico?
E: O ciúme pode ser um dos sintomas da pessoa que apresenta amor patológico, por que ela apresenta carência afetiva e tem necessidade de ser a pessoa mais importante para o parceiro e que ele supra essa carência constantemente. Trata-se de um problema de vinculação a dois, portanto. O ciúme patológico, por sua vez, é outro diagnóstico, onde a pessoa não aguenta a entrada de um terceiro elemento (rival) na relação, de modo que a queixa está envolvendo sempre três pessoas.


É comum algumas pessoas dizerem "ele morreu de amor" ou "ela está doente de amor", por exemplo. É possível que alguém adoeça fisicamente por amor ou até mesmo morra de tristeza por amar a alguém?
E: Sim. O amor patológico pode levar a sintomas físicos e, se não for tratado, esses sintomas podem levar ao comprometimento de um órgão e ao desenvolvimento de uma doença crônica, portanto.
Quem se envolve em um relacionamento patológico costuma também não estar preparado emocionalmente para o amor"

Quando a pessoa se relaciona com alguém e percebe que é amada pelo outro de modo doentio, como ela deve agir para o bem-estar do outro e da relação?
E: Deve conversar abertamente, clarear para a pessoa com problemas que essa não é uma maneira saudável de amar e propor uma nova maneira, de modo que ninguém abandone o seu próprio desenvolvimento e projetos individuais. Caso essa conversa não melhore o relacionamento em algumas semanas, ambos devem buscar um especialista para avaliação e tratamento. Provavelmente ambos precisarão de ajuda, pois quem se envolve em relacionamento patológico costuma também não estar preparado emocionalmente para romper esse modo de se relacionar e nem melhorar esse tipo de relação.


O comportamento do parceiro pode incentivar um amor patológico?
E: Com certeza. O parceiro da pessoa que apresenta amor patológico costuma ser distante afetivamente e estar mais interessado em atividades fora do relacionamento. Muitos são dependentes de drogas ou excessivamente ligados no trabalho, por exemplo.


Para finalizar, como diferenciar o "amo muito" do ter um amor patológico?
E: O amor patológico não é uma questão de quantidade de amor, mas sim de qualidade do vínculo amoroso. A pessoa presta cuidados em excesso ao parceiro não porque o ama muito, mas porque apresenta um profundo vazio emocional e "precisa" que o parceiro supra essa carência em todo momento. Quando isso não ocorre, entra em desespero. Ela se sente presa, não consegue melhorar, tem que demonstrar amar demais para receber o que lhe falta afetivamente.

Um vínculo prazeroso e saudável inclui cuidados com o outro, mas essa conduta está sob controle. A sensação é de se amar cada vez mais porque há espaço para o desenvolvimento pessoal e para vivências e experiências em comum, ou seja, ambos amam muito a si mesmos, estão inteiros e prontos para também amar o outro, sem precisarem abrir mão de si mesmos.

26 dos desabafos - DESABAFE!:

  1. Fiquei com medo agora!
    oh céus!

    Tenso*

    bjos
    bom fim de semana

    ResponderExcluir
  2. Lia Araújo,
    Com medo de viver ou sentir um amor patológico, mocinha? Se for procure ajuda, como a psicóloga entrevistada recomenda. Beijos! Obrigado e bom fim de semana para você também. :D

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito do texto, explicou muito bem, aliás passei a seguir o blog, que é realmente bom e o conteúdo excelente!
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  4. Vanda,
    Muito obrigado! Fico feliz por você achar isso do blog e espero que ele realmente mereça! :D Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Excelente post...tema atualíssimo.Precisamos estar atentos a nós mesmos...amor deve ser troca, cumplicidade, uma via de mão dupla...se não for assim, torna-se um peso e esse peso pode nos transformar em "monstros amorosos".
    Bj

    ResponderExcluir
  6. Lila,
    Certamente precisamos refletir sobre nossos sentimentos, sempre! Evoluir e melhorar é preciso! ;) Fico feliz que tenha gostado da entrevista. Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Gostei,explicou bem o que venho dizendo a minha irmã,ela sofre disso,e esta duro aguentar.

    ResponderExcluir
  8. Fred,
    Lamento por sua irmã. Mostra a entrevista a ela, quem sabe não a incentiva a procurar ajuda! ;) Fico feliz por ter gostado da entrevista. Abraço!

    ResponderExcluir
  9. Gostaria de parabeniza-lo pelo tema escolhido para entrevista e confesso que nunca tinha ouvido falar nessa definição "amor patológico".

    Abraçooo!

    ResponderExcluir
  10. Georgia Hammine,
    Que bom que gostou da entrevista, mocinha! :D É bom mesmo divulgarmos o amor patológico, muitos sofrem dele e não sabem. Abração!

    ResponderExcluir
  11. adorei o site,vivi esse amor com meu namorado ,ele era manipulador e desenvolveu em mim uma anulaçao da minha personalidade.bjo

    ResponderExcluir
  12. Rosa,
    Que bom que você gostou do blog, fico feliz! :D E parabéns por se livrar de um amor doentio! ;) Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Encontrei este site porque estav procurando justamente sobre o assunto, mas tenho uma dúvida: o amor patológico é desnvolvido por filhos para com seus pais?:(

    ResponderExcluir
  14. Meu namorado,é exatamente assim,o amo muito,mas tenho deixado há muitos anos de me amar, me anulando cada vez mais, e permitindo que ele entre cada vez mais em minha vida, de uma forma que a cada dia que se passa, sinto ser mais dificil me libertar dessa situação, Deus é minha fortaleza, pois creio que a pessoa que se sujeita a ter um relacionamento assim, tem também,de certa forma,uma doença, um medo absurdo de sair de seu relacionamento, ou seja, creio que tenho um sério problema por não me libertar disso, mas mesmo assim, continuo orando PEDINDO a DEUS que me trasforme ,que me de coragem que tire o MEDO do meu coração,não quero perde-lo quero que MUDE, mas se isso não for possivel,que DEUS O TIRE PARA SEPRE DA MINHA VIDA EU QUERO VIVER EU PRECISO VIVER, sei que DEUS tem me ouvido,pois nada é impossivel para Deus, eu sei que minha função é renunciar a isso, mas se não consigo abro mão de meu livre arbitrio e dou a Deus o direito de fazer em mim A SUA VONTADE e sei que um dia tudo que estou passando vai passar,agradeço o espaço para desabafar, que Deus abençoe a todas as pessoas que entrarem nesse site.

    ResponderExcluir
  15. Desisti de te vc, mais não pense que desisti por não ter mais forças para lutar e sim por não ter mais condições de sofrer....
    meu pisiquiatra recomendou o livro "AMOR PATOLÓGICO"

    ResponderExcluir
  16. ai que alivio ler essa entrevista, estava numa relação dessa, não num nivel grave, mas estava, e não sabia. isso me ajuda a esquece-lo e a procurar uma ajuda para q não se repita, odeio ficar doente.

    ResponderExcluir
  17. nossa estou sofrendo de amor patológico, e isto nao é de hj parece que nao consigo seguir minha vida. Me da uma angustia, medo ,coração bate forte fico sem sono, pra mim ele tem q fazer tudo do jeito q quero se nao eu me transformo. quero saber de tudo o q ele faz onde ele vai com quem conversa e odeio q ele fale com mulheres penso logo q esta me traindo... Se ele nao me liga penso q me esqueceu e que ta com outra, as vezes quero matar ele de tanto odio q sinto. uso drogas as vezes quando saio, mais quando o efeito acaba me da uma depressão que me da vontade morrer. ele diz que me ama pra eu parar com isso, mais nao consigo é mais forte do que eu, não penso em nada mais pra mim é como uma droga que preciso sempre usar pra ter prazer, não consigo nem tratar bem meus familiares quando estou brigada com ele... Enfim estou sofrendo muito....

    ResponderExcluir
  18. sofro dessa "doença" as vezes eu tento fazer qualquer coisa pra aliviar mais não consigo apesar da preocupação que tenho com minha amada eu desconfio de qualquer coisa que seja ela já sabe que sou "doentio" por ela e não da muita bola quando desconfio ela só me explica o que esta fazendo mais mesmo assim a desconfiança não para também sou muito ciumento com ela tenho ciúmes ate quando ela brinca o gato de estimação. Pra mim é sofrimento porque à vejo triste toda vez que faço isso eu gostaria de receber uma ajuda estou disposto a qualquer sujestao para me tirar dessa e me levar ao amor que nunca havia dado a minha amada

    ResponderExcluir
  19. Pelo jeito sofro disso tbm, se minha companheira fala em um tom diferente ja me sinto mal
    o meu maior problema as vezes é que minha parçeira me trata com indiferrença,as vezes penso que ela não gosta de mim é isso me faz muito mau

    ResponderExcluir
  20. E eu acho que sofro disso tambem... eu amo demais meu namorado mesmo e um amor possessivo e doentio,tenho uma obsessão por ele que só Deus pra saber!Se ele não faz o que quero fico com raiva e triste.ele tem que fazer o que quero etc... se eu pudesse eu ficaria ao lado dele a cada segundo e quando ele tem que ir pra casa dele eu fico com uma ansiedade de velo novamente imensa.a uns 2 meses isso estava tão forte mais tão forte que nem na escola eu queria ficar!pois eu ficava pensando nele demais,meu coração começava a bater super forte,minha mão suar,eu só queria sair daquele ambiente correndo e ir para os braços dele!eu não queria comer,nem nada so ficar pensando nele querendo ter ele comigo etc...
    Agora agente se ve todos os dias!Ele fica aqui em casa comigo o dia todo!pois se eu ficar sem ele parece que vou morrer seila...
    e isso esta voltando está cada vez mais forte!
    mais o pior que acho que nos dois sofremos disso!pois nos dois somos assim!mais e isso!Obrigado!

    ResponderExcluir
  21. Meu marido sofre desse amor, estavamos juntos há 4anos, mas não aguentei mais, nos seaparamos há 5meses, mas ele não desiste, me liga dia e noite me implorando pra voltar, eu ainda o amo mas tenho medo de voltar e sofrer tudo de novo, ele se embriagava todo final de semana por eu estar trabalhando ( sou gerente de uma loja de shopping),e com isso virou um alcóolatra, totalmente irresponsavel, chegou ao ponto de roubar uma grande parte do meu salário, depois de detonar o dele pra beber,hoje, na luta incansável e desesperadora pra reconquistar a minha confiança, está frequentando uma igreja evangélica e faz 2meses que não toca em uma gota de álcool, ele afirma me ter de volta a todo custo, mas ainda não consigo acreditar na mudança dele e o pior é que sofro de depressão e transtorno bipolar e tudo isso junto, fazia de nossas vidas um verdadeiro inferno, já o agredi várias vezes fisicamente, mas ele nunca revidou, tenho muito medo de mim mesma e do que possa vir a acontecer com nós dois no caso de uma reconciliação e voltar a dividir o mesmo teto, são duas pessoas com sérios problemas psicológicos com uma diferença, eu tenho consciencia do meu e sempre busco tratamento com especialista, ele não aceita o dele e isso sempre atrapalhou o meu tratamento. Sinceramente, estou completamente perdida e sem saber o que fazer...

    ResponderExcluir
  22. amo meu marido , mas o cuime que eu sinto dele e fora do normal , me sinto muito mal mas tem momentos que eu nao consigo controlar e tem momentos que ele se afasta de mim com medo com que eu possa fazer contra ele,,,,,

    ResponderExcluir
  23. Percebi q estou doente... tive um término depois de 5 anos estou ao ponto de enlouquecer... sonto q estou doente mesmo... nao consigo pensar trabalhar organizar minhas coisas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,
      Espero que procure ajuda psicológica e fique bem! Esforce-se para tal! :) Abraço!

      Excluir
  24. Uma pessoa que se mata por amor, é amor doentil?

    ResponderExcluir

Obrigado, pela visita. Aproveite e DESABAFE você também!

"deixa, deixa, deixa eu dizer o que penso dessa vida, preciso demais desabafar"
(Ronaldo Monteiro/ Ivan Lins)

As opiniões e vontades expressas nos comentários não representam a opinião do autor deste blog.

Assine nosso feed!


Comentários não relacionados aos posts e/ou só para deixar links serão excluídos e o comentarista denunciado ao Blogger como spammer.

Fale com o blog

Envie o seu email para o blog.

Nome E-mail * Mensagem *