Carregando...

Tu do


Share on Tumblr Compartilhe no Pinterest

Tudo



Enviar por WhatsApp


Tudo. Antes, tudo que eu tinha era uma mão vazia e um coração esperançoso, para ter outra mão que me segurasse. Porque o mundo gira muito veloz e a gente precisa de alguém para segurar a mão e não cair, apertar forte quando o medo vier ou voar junto quando algo belo acontecer. E há tantos dias tu chegou e o meu tudo se tornou. Porque o amor é tudo que há em tu. É tu do riso tampando a rosto com a almofada e fechando os olhos. É tu do plano diário de turistar tornando o trabalho pequenos intervalos entre viagens. Tu do passo de dança atrapalhada mais no ritmo que existe. É tu do cumprimento "ei, travesti", para cada amiga. É tu do jeito mais másculo de ser absolutamente avesso. É tu do apaixonado estranho jeito de amar me deixando irritado. Tu do improviso planejado para me fazer gargalhar, do jeito de criança que, por manha, se recusa a crescer. É tu do modo de finalizar cada história dizendo "e tudo". É tu do dizer sincero que às vezes rasga o peito, mas cicatriza a alma. É tu do coração "belíssimo", do abraço quente, da piada pronta, da implicância garantida, da companhia certeira, do dia a dia iluminado. É tu do amor de melhor amigo, que brinca, briga e é brisa para aquietar. É tu, é tudo, é todo, todo teu tudo que há em mim. Hoje, tudo que eu tenho é uma mão para segurar porque amor é segurar uma mão, soltar o coração e plantar sonhos a dois, a cada beijo, a cada grão. Porque agora o mundo gira, mas é tudo meu, assim. Tudo para mim é tu do meu lado para mim.


Sobre o autor
Ruleandson%20do%20Carmo Ruleandson do Carmo , autor de todas as crônicas deste blog , é jornalista, doutor em Ciência da Informação (UFMG) e ama falar de e pesquisar o amor. Saiba mais
Facebook Twitter Google Plus Gmail

Bilhetes de amor


Share on Tumblr Compartilhe no Pinterest

Em uma xícara de café qualquer 

Recorte do cartaz de Cartas para Julieta (2010)
Enviar por WhatsApp


Eu poderia somar cada letra e escrever sobre como a tua presença me tornou capaz de encontrar a paz, por ter alguém como eu quis. Não se somam sentimentos, mas os resultados seriam palavras sobre tudo o que acalma o dia, quando no nosso futuro confio e encaro o meu desafio de te fazer feliz. Com um papel solto, posso falar sobre tudo que passou, desde a primeira vez, e como entendi o que a vida fez, te trouxe quando eu não estava mais em medo envolto. O amor só chega ao nosso encontro na hora na qual se está pronto, não porque você se tornou capaz de fazer dar certo, mas porque você não teme mais que não dê. As linhas do papel convidam a falar da maturidade, que não vem com a idade ou com o tempo, mas com conhecer a verdade de cada um. Vão te dizer que o amor se constrói com o tempo, mas o tempo são só dias, se você não investir em paciência e convivência. Então, vale escrever que o tempo pode ser só algo a se perder quando não se está disposto a tornar a diferença a chance de trazer o melhor que cada um pode ser. E é o que você traz, a coragem para encarar toda coisa a mudar, para fazer do peito da gente, mesmo a cada viagem, o melhor lugar para voltar. A caneta inspira a dizer quantos meses são, mas o que conta não são os meses, mas saber que pensei em você muito mais vezes do que os dias que passados agora estão. E é no agora que eu tenho alguém, alguém que não precisa nem os olhos abrir para me fazer sorrir e é por isso que às vezes mais cerdo acordo, para te ver dormir. E, assim, enquanto você dorme, escrevo sobre a semana que ficou mais bela agora que te tenho nela. Mesmo quando você está longe e eu fico preso na saudade, vem um juiz de fora me dizer que sempre volta redonda a paixão, quando se consegue fazer o desejo no coração morar. Por isso, deixo bilhetes de amor para cada dia, para você celebrar, para você lembrar da gente, dou ao coração calado, ainda que eu tente não ser, assim, tão brega, a cada dia um recado. E uso a minha torta caligrafia que te cala e grava em nós o amor que importa. Eu poderia falar, mas eu prefiro escrever, pois escrever é uma das formas mais simples e sinceras de fazer com que alguém veja o amor que se sente. Porque amor não é para se ver, é para se crer, e escrever o amor é crer para ver, ver cada letra que traduz todo o abc que uso para te amar. Então, eu escrevo bilhetes de amor, antes de partir para voltar, deixando a mesa pronta para quando você acordar e revelando tudo o que sinto, escondendo palavras em algum papel no desjejum e deixando em uma xícara de café qualquer, todo o amor que você quer.


Sobre o autor
Ruleandson%20do%20Carmo Ruleandson do Carmo , autor de todas as crônicas deste blog , é jornalista, doutor em Ciência da Informação (UFMG) e ama falar de e pesquisar o amor. Saiba mais
Facebook Twitter Google Plus Gmail

Amor não há dia, amor não adia


Share on Tumblr Compartilhe no Pinterest

Feliz Dia dos Namorados



Recorte do cartaz de Esperar para sempre (2010)

Enviar por WhatsApp

Hoje é o dia de dizer e de viver, amor. Hoje, e não depois. Porque amar é dizer no dia, antes que a fala se torne tardia. Mas para amar não deveria haver dia, pois amar é, sim, todo dia, é agora, amar é ter alguém que te faz viver no presente um futuro que não se adia. Por isso, namorar é dar ao amor nome próprio, tornar o amor o verbo e o sujeito de qualquer frase que resuma o desejo que a gente leva no peito. É que quando a gente ama a gente namora, a gente lá mora, no peito do outro, onde também bate o nosso. Namorar é ter a licença do mundo para ser bobo, ser tonto, se apaixonar pela lua, ser lobo e estar sempre pronto. Pronto para ter alguém que é a sua referência de alegria e de raiva, de sorriso e de choro, de presença e de saudade. Namorar é quando "você" e "amor" se tornam sinônimos. E, hoje, eu tenho um namorado, um amor, um você, e para ele digo porque é o dia. Você me inspira, você me pira. Você me desafia, você me afia. Você me alegra, você é minha regra. Você eu escolho, você é o amor que eu colho. Você eu chamo, você eu amo. Você me faz feliz, com o amor que eu sempre quis. Com você querer e ter se encontraram, o amor deixou de ser teoria e virou prática, a prática do amor que eu quero e tenho e é por isso que todo dia eu venho. E, hoje, cada silêncio vazio que havia em mim não está mais calado, tudo vibra quando te chamo de "meu namorado", tudo agora  tem som, cor e cheiro, é tudo bom, amor, e inteiro. Porque namorado é quem torna amar uma rotina que não entedia, é quem torna todo dia o melhor dia e traz sentido ao que você antes não entendia. E o sentido é que amar é te oferecer sempre o melhor e esperar que isso seja o suficiente, para te ter sempre ao meu redor. Então, amo, digo e vivo o hoje. Amor não há dia, amor não adia.

(Feliz Dia dos namorados)


Sobre o autor
Ruleandson%20do%20Carmo Ruleandson do Carmo , autor de todas as crônicas deste blog , é jornalista, doutor em Ciência da Informação (UFMG) e ama falar de e pesquisar o amor. Saiba mais
Facebook Twitter Google Plus Gmail
Blog Widget by LinkWithin