Pesquisar este blog

Carregando...

04 janeiro 2016

Tu do

Tudo



Enviar por WhatsApp


Tudo. Antes, tudo que eu tinha era uma mão vazia e um coração esperançoso, para ter outra mão que me segurasse. Porque o mundo gira muito veloz e a gente precisa de alguém para segurar a mão e não cair, apertar forte quando o medo vier ou voar junto quando algo belo acontecer. E há tantos dias tu chegou e o meu tudo se tornou. Porque o amor é tudo que há em tu. É tu do riso tampando a rosto com a almofada e fechando os olhos. É tu do plano diário de turistar tornando o trabalho pequenos intervalos entre viagens. Tu do passo de dança atrapalhada mais no ritmo que existe. É tu do cumprimento "ei, travesti", para cada amiga. É tu do jeito mais másculo de ser absolutamente avesso. É tu do apaixonado estranho jeito de amar me deixando irritado. Tu do improviso planejado para me fazer gargalhar, do jeito de criança que, por manha, se recusa a crescer. É tu do modo de finalizar cada história dizendo "e tudo". É tu do dizer sincero que às vezes rasga o peito, mas cicatriza a alma. É tu do coração "belíssimo", do abraço quente, da piada pronta, da implicância garantida, da companhia certeira, do dia a dia iluminado. É tu do amor de melhor amigo, que brinca, briga e é brisa para aquietar. É tu, é tudo, é todo, todo teu tudo que há em mim. Hoje, tudo que eu tenho é uma mão para segurar porque amor é segurar uma mão, soltar o coração e plantar sonhos a dois, a cada beijo, a cada grão. Porque agora o mundo gira, mas é tudo meu, assim. Tudo para mim é tu do meu lado para mim.

01 outubro 2015

Bilhetes de amor

Em uma xícara de café qualquer 


Recorte do cartaz de Cartas para Julieta (2010)
Enviar por WhatsApp



12 junho 2015

Amor não há dia, amor não adia

Feliz Dia dos Namorados



Recorte do cartaz de Esperar para sempre (2010)

Hoje é o dia de dizer e de viver, amor. Hoje, e não depois. Porque amar é dizer no dia, antes que a fala se torne tardia. Mas para amar não deveria haver dia, pois amar é, sim, todo dia, é agora, amar é ter alguém que te faz viver no presente um futuro que não se adia. Por isso, namorar é dar ao amor nome próprio, tornar o amor o verbo e o sujeito de qualquer frase que resuma o desejo que a gente leva no peito. É que quando a gente ama a gente namora, a gente lá mora, no peito do outro, onde também bate o nosso. Namorar é ter a licença do mundo para ser bobo, ser tonto, se apaixonar pela lua, ser lobo e estar sempre pronto. Pronto para ter alguém que é a sua referência de alegria e de raiva, de sorriso e de choro, de presença e de saudade. Namorar é quando "você" e "amor" se tornam sinônimos. E, hoje, eu tenho um namorado, um amor, um você, e para ele digo porque é o dia. Você me inspira, você me pira. Você me desafia, você me afia. Você me alegra, você é minha regra. Você eu escolho, você é o amor que eu colho. Você eu chamo, você eu amo. Você me faz feliz, com o amor que eu sempre quis. Com você querer e ter se encontraram, o amor deixou de ser teoria e virou prática, a prática do amor que eu quero e tenho e é por isso que todo dia eu venho. E, hoje, cada silêncio vazio que havia em mim não está mais calado, tudo vibra quando te chamo de "meu namorado", tudo agora  tem som, cor e cheiro, é tudo bom, amor, e inteiro. Porque namorado é quem torna amar uma rotina que não entedia, é quem torna todo dia o melhor dia e traz sentido ao que você antes não entendia. E o sentido é que amar é te oferecer sempre o melhor e esperar que isso seja o suficiente, para te ter sempre ao meu redor. Então, amo, digo e vivo o hoje. Amor não há dia, amor não adia.

(Feliz Dia dos namorados)

04 janeiro 2015

Um ano, um amo

O meu um


Enviar por WhatsApp

Um ano. É boa a sensação de que os dias todos de todo um ano se passaram e alguém não passou, um ficou. É uma mistura de orgulho e alegria, com um aumento da responsabilidade de fazer que a cada dia, ainda que o tempo passe, o amor permaneça mais perto do começo porque você não quer o fim. E você pensa que a pessoa que vai ficar vai ser aquela que você vai perceber que é perfeita, mas a pessoa perfeita nunca vai ficar porque ela não existe. A pessoa que vai ficar um ano e todos os outros que vierem vai ser aquela imperfeita, aquela que vai ter o dom de te irritar mais do que todas as outras do planeta, mas vai te dar ao mesmo tempo as alegrias e desejos sem os quais você não vai mais poder viver. Ele é a vontade de bater nele, quando elogia os atores sarados da TV, mas é a paz sem explicação quando coloco a mão na perna dele enquanto dirige. Um ano chega quando fica alguém por quem vale a pena abrir mão do mundo, é porque namorar é mais do que escolher alguém, é abrir mão de sete bilhões de pessoas que existem no mundo. E quando eu acordo e vejo ele dormindo, com um rosto que se tivesse sido visto teria evitado todas as guerras do mundo, eu penso que ele vale, ele vale as mais de sete bilhões de pessoas do mundo. Então, eu me orgulho do meu um no mundo e do nosso um ano, e ainda que eu viva em um mundo que me traz algumas limitações pelo preconceito, eu mentalmente ando sempre de mãos dadas a cada vez que estou com ele. Um ano não são mais 365 dias, um ano são os dias que implorei por um milagre para terem mais do que 24 horas porque estávamos juntos e os dias nos quais pedi para acabarem em um minuto porque um estava longe. Eu queria você perto todo dia, porque a vontade de te ter sempre ao lado é do tamanho do mundo e o problema é que o mundo é grande demais. Mas vai ser isso que vai fazer chegar um ano, ter um que você quer mais perto quando chega e que você quer que volte logo quando vai. E o meu um me trouxe a melhor companhia, os melhores risos, os melhores dias, a superação de alguns medos e a vontade de recomeçar a cada briga boba da qual depois nos arrependíamos. E eu olho para ele e vejo um ano que passou e tudo que eu peço é que eu continue dando a ele motivos para ficar, por todos os outros anos que ainda virão. Eu quero o dia que eu vou te ter todo dia, o dia todo. O meu um no mundo é capaz de trazer o futuro para o presente, me dando a felicidade do hoje e a esperança do amanhã. Ele me trouxe o amor. E amor é quando o medo de perder a pessoa é maior do que o medo de que ela nunca mude nos defeitos que mais te irritam. Amor é quando a esperança de que possam dividir o resto da vida consegue tornar insignificante a ideia de que ninguém é perfeito. Amor é quando alguém é o seu alguém para o resto da vida, porque ele se torna o significado de vida e transforma o resto, apenas no resto. E é o que eu sinto há um ano. Naquele dia de janeiro há um ano estávamos sós, hoje estamos nós. E só se troca sós por nós quando há amor. Um ano, um que eu amo.

01 outubro 2014

Décimo primeiro andar

A andar, a amar 




Enviar por WhatsApp

Meu primeiro andar foi quase um ano após nascer, para alegrar a quem via. Meu segundo andar foi para chegar perto daqueles que me amavam incondicionalmente - papai, mamãe, vovó, irmão, titia, que hoje chamo de um nome mais complicado, família. Meu terceiro andar foi para explorar o mundo e descobrir assustado que ele era um pouco maior do que um quarto com brinquedos. Meu quarto andar foi para tentar aprender a ler (o mundo e a mim mesmo). Meu quinto andar foi para abraçar aqueles que iam me trazer as melhores risadas, dividir as colas da prova, e, mais tarde, as alegrias e os tombos da vida - os coleguinhas, que hoje eu chamo de amigos. Meu sexto andar, foi para aquelas paixões que nunca se concretizam, amor de criança. Meu sétimo andar foi para deixar de ser criança e começar a pagar as próprias contas. Meu oitavo andar foi para tentar ter algum amor igual a um filme, mas sempre o final não era feliz. Meu nono andar foi para viver só comigo, até quando quis não mais caminhar só. Meu décimo andar foi em direção a ele. Ele, o homem com olhar e jeito de criança contraditoriamente mais perto da maturidade que já conheci. Quando eu o vi ele usava verde, a mesma cor da esperança que ele traria para a minha vida e a mesma cor do que o amor nosso seria, um fruto verde que se envolveria em nosso esforço para amadurecer. Eu o vejo dormir e sinto paz, pois sei que na noite anterior passei mais um dia com ele e que no dia que amanhece vou passar mais um. Eu ouço o que ele fala (e ele fala tudo o que vem à mente) e sinto que o que temos não é perfeito, mas é algo mais raro no amor, é verdadeiro. Ele é a dificuldade para dormir quando não estamos juntos. É a alegria de cozinhar quando temos uma noite inteira para viver. É quem me fez dar mais valor à minha família ao ver o quanto ele amava a dele. É a vontade de que a semana só tivesse terças, quintas e finais de semana. Eu sou o básico, ele é o fashion. Eu sou o falador, ele é o dorminhoco. Eu quero ontem e amanhã em um só dia (e em todos os dias), ele quer hoje. Eu penso em cada vírgula dita e não dita e ele, quando pensa, pensa em por que eu penso tanto. Penso, subo e ando. E meu décimo primeiro andar é até onde subo para vê-lo a cada vez, e é o número de cada passo que dou em meu andar pela vida, em busca de poder fazê-lo feliz. E eu penso e faço tanto, porque já se passaram tantos anos sem você, meu amor, que eu preciso, hoje, recuperar o tempo todo que perdi enquanto eu não te conhecia. Eu queria um amor, você me deu uma vida. E vai ser maravilhoso cada novo andar que puder ser ao seu lado. Porque você resume cada andar, eu ando para te alegrar, para chegar perto, para explorar o mundo, para aprender, para ser  seu amigo, para ser sua paixão, para trabalhar, para respeitar a solidão, para amar. Do passo à corrida, do térreo à cobertura, você é o amor para a vida de hoje até o infinito recomeço de toda doçura. Meu andar, meu amar.

12 dezembro 2013

Mundo mudo

Quando tudo mudou

Foto de The luck one

Recorte do cartaz de The lucky one (2012)

Enviar por WhatsApp

O amor tem o som de uma porta se abrindo para alguém ser sempre bem-vindo a entrar e ficar. O que eu nunca pensei é que uma porta poderia ser por onde alguém sai para te deixar. Não tocou o som de nenhum alarme avisando que era a hora de despertar, pois você iria embora. Não me apareceu nenhuma opção "soneca", para eu te ter por mais dez minutos. Você foi embora, embora tudo o que eu sinto tenha ficado. Acordado tive que ficar a cada dia sem você, acordado, ainda que a cor dada não tenha sido aquela com a qual eu sonhei em pintar a vida que a gente ia ter. Coragem talvez seja agora a única cor que ajude a colorir a vida desde que eu não te tenho agora. Ainda que a minha cor preferida seja a cor verde, esperança cor verde de te ver de perto. E sem ti sentidos foram se perdendo, pois, quando alguém que se ama parte, a vida parece que fica sem sentido e sem sentidos, enquanto ressentido a gente espera pelo retorno. É o que a saudade faz, ressentir quando já não se pode re-sentir  e a cada dia repetir a presença de alguém. Por um tempo seu cheiro ainda ficou, e eu podia me agarrar a alguma peça esquecida - enquanto você me esquecia. Eu sentia por dias o seu perfume, mas nenhuma fragância traria de volta a essência de nós. Então nada mais teria aquele melhor cheiro - que ainda é o seu -, mas guardar o teu perfume seria camuflar o olfato ou o fato de que você não vai voltar? E quantos toques eu vou dar em outros corpos tentado tocar a minha vida adiante? Toquei várias portas na esperança de que, ao abrir alguma delas, eu fosse te reencontrar. Nada é mais macio como nossos melhores momentos e meu tato é agora só um lembrete de que tá tudo diferente. Talvez um pouco do brilho deixou de ser visto e o mundo esteja um pouco em câmera lenta. Em câmera lenta se vê o mundo e a vida, quando um amor parte e se torna lenda. E eu olhei cada esquina, em cada segredo que deixamos guardados por onde passamos, mas nunca com minha visão eu vi são o coração que eu te dei para morar. Troquei as visões por versões da vida nas quais você ainda esteja aqui. O tempo demora a ensinar o tempero para  dar o gosto certo a um amor. Você aprende a fazer algo para quem você gosta amar, entende o que usar para dourar, mas como durar o tempo em que alguém te ama? E agora nada em meu palato para o ato de eu não sentir mais o mesmo gosto sem quem eu gosto. Mas de todos os meus sentidos o que mudou mesmo foi a audição. Você se foi e deixou o meu mundo mudo. Amor é barulho, saudade é siêncio. Não há mais o som do telefone com esperanças em forma de voz, não há mais o som das risadas que pareciam escolher viver entre nós. Não há mais o som do seu sono renovando o meu sonho, nem o tic-tac do relógio ansioso por mais um dia ao seu lado começar. Não ouço mais o som dos teus passos chegando e trazendo a alegria, apenas o som da esperança descendo mais um degrau a cada dia. Perdeu volume o som das nossas conversas com versos de musicar a força para enfrentar a vida. Silenciou o beijo, o abraço e aquele som da nossa roupa abrindo para nossos corpos tentarem se tornar um só (e a gente quase conseguia, lembra?). Meu mundo mudo ficou e como eu me mudo para onde eu posso falar? Tudo agora silencia, mas a saudade em mim grita. Mas a saudade em mim grita. Minha voz pode ir até onde minha saudade for, e ela vai a tudo, já que não te encontra em nada. A minha saudade é do tamanho do mundo e o problema é que esse mundo é grande demais. E em meio a este mundo mudo eu tento gritar que ainda não te esqueci. Ouço ou sou um pedido para você não me esquecer? O que importa é que qualquer porta, agora, porta o nome de esperança para quando você quiser passar. O meu amor ainda tem o som de uma voz te chamando para voltar, você poderia ouvir ou vir?

14 setembro 2013

Fazer sexo com amigo fortalece a amizade, diz pesquisa (e outras notícias de amor)

Direto ao que interessa e sem dramas
Amizade colorida

Recorte do cartaz de "Amizade colorida" (2011)

Enviar por WhatsApp

Um giro ligeiro e prazeroso pelo que anda sendo publicado sobre amor e relacionamentos na Internet.

Fazer sexo com amigo melhora a amizade, diz pesquisa
Esqueça o conflito "é amor ou amizade?" e parta logo para o sexo com o amigo! É o que sugere os resultados de uma pesquisa realizaCiência Maluca.
da por Heidi Reeder, do Departamento de Comunicação da Universidade Estadual de Boise, nos Estados Unidos. Heidi aponta que para 76% das pessoas a amizade melhorou depois do sexo e alguns até começaram a namorar após transarem. Quem noticiou a pesquisa foi o

Opa, então, ao invés de sofrer pela paixão por um amigo o negócio é transar com o amigo, melhorar a amizade e se for bom até namorar? Tudo muito simples, não?

Homem acorda de cirurgia com amnésia e apaixona de novo pela esposa
Segundo o F5, após realizar uma cirurgia para retirada de uma hérnia, um homem acorda, e, ainda sob efeito das anestesias, é afetado por uma amnésia temporária. Até aí, tudo normal. O curiso é que ele dá de cara com a esposa, não se lembra dela e fica apaixonado (de novo) por ela.

Tudo muito fofo, mas muitas coincidências, né? Filmando ele acordando, ele vira e se apaixona... Hum... mas, vamos continuar achando fofo! :)

 

Foi bom para você? Até a próxima Rapidinhas!

01 setembro 2013

Entrevista - Como lidar com o ciúme e com o ciumento? (Maria Aparecida Barbosa)

Falta de auto-estima e confiança no amor

Foto de "O ciúme mora ao lado" (2009)

Enviar por WhatsApp

Uma oportunidade para reexaminar a relação. É assim que 80% das pessoas avaliam o ciúme, de acordo com resultados de pesquisa realizado pela Universidade da Califórnia. E parece que, no Brasil, os casais tem muitas oportunidades para reexaminar os relacionamentos. Segundo dados de uma pesquisa da Universudade de Sunderland, na Inglaterra, os brasileiros são os mais ciumentos entre as nacionalidades investigadas.

O problema é que o exame da relação a partir do ciúme constante pode levá-la ao fim. "O ciúme pode fazer perder o parceiro, como tanto teme o ciumento". Quem avisa é a psicóloga clínica, especialista em Sexualidade e Relacionamento Amoroso e com larga experiência no tratamento de Transtornos de Ansiedade, Maria Aparecida Barbosa. Nesta entrevista, ela ensina a como lidar com o ciúme e com o ciumento, para não se tornar um Otelo de Shakespeare: "ciúme não é prova de amor".

Como é definido o ciúme pela psicologia?
M: O ciúme está relacionado à ameaça de perda de alguém que se ama para outra pessoa. É um sentimento muito doloroso para quem sente e nunca vem sozinho, vem associado a outros como a raiva, o desejo de vingaça, a auto-piedade, a inveja, a inferioridade, a ansiedade. Pode ser grave e persistir por muito tempo. Está diretamente relacionado à falta de auto-estima e falta de confiança em si próprio, mais do que na fala de confiança no companheiro. Vemos que há diferentes graus de ciúme, mas sempre associado ao grau de posse e medo da perda.

O ciumento coloca obstáculos para que o parceiro tenha amigos. Que tipo de amor é este?"

Muitos ciumentos se defendem dizendo que "todo mundo tem ciúme". Isto é verdade? O ciúme é natural?
M: É verdade, todo mundo tem ciúme, afinal, se você gosta de fato da pessoa que está ao seu lado, não quer perdê la. É natural querer manter quem se quer bem e cuidar para que isso aconteça. Mas, o ciúme é natural quando ocorre algo concreto e real, por exemplo: numa festa, alguém começa a chamar atenção da pessoa que está com você e ela demonstra gostar disso, logicamente,  vai despertar seu alerta para tirá-lo dessa situação e proteger seu relacionamento. Entretanto , essa questão precisa ser resolvida e se encerrar por ali. Se você ficar achando que todos com quem seu companheiro(a) conversa é um(a) rival em potencial e isso levar a acusações, a brigas, já deixa de ser saudável para a relação e causa sofrimento a ambos.

Foto de "O ciúme mora ao lado" (2009)

Há também quem diga que "ama demais", por isso tem ciúme. Ciúme é sinônimo de amor ou de amor em excesso?
M: Algumas  pessoas consideram o ciúme prova de amor, como se medo de perder alguém sempre significasse que se ama. Na verdade, podemos não querer  perder alguém por inúmeras razões que não sejam o amor: medo de ficar só, dependência emocional, insegurança, posse etc. Quando se ama muito alguém, a última coisa que se quer é controlá-la e podar seu potencial, comportamento comum no ciumento exagerado, que, por exemplo, não quer que a pessoa se arrume, invade a privacidade do outro checando emails e celular, coloca obstáculos para que o outro tenha amigos. Que amor é esse?

Cuidar da pessoa que se ama é mais funcional do que controlá-la por ciúme"

A relação que o indivíduo teve com os pais pode influenciar o ciúme manifesto por ele na vida adulta?
M: Acredita-se  em psicologia que as experiências e vivências que uma criança tem em casa vão influenciá-la na vida  adulta; logo, se a pessoa pertencer à um lar onde o cuidado excessivo e ciúme entre os pais imperam, ela tende a considerar normal essa forma de se relacionar e repetir com o namorado(a). Outra  possibilidade é a pessoa ter vivido uma situação onde não se podia confiar nas pessoas ou que não foram amandas o suficiente e quando crescem tendem a se relacionar afetivamente de forma distorcida.

Foto de "O ciúme mora ao lado" (2009)

Muitos falam em cinco níveis de ciúme (zeloso, enciumado, ciumento, fóbico e patológico). Como se manifesta cada um desses níveis?
M: Zelo é um termo interessante para um relacionamento, está associado a cuidar e quanto mais você cuida da pessoa que você ama e da relação de vocês, menos risco de uma terceira pessoa ameaçar. É mais saudável e funcional do que controlar. Agora, quando se perde a paz ao pensar: onde o outro está e com quem, o que está fazendo, quando se começa a criar histórias na cabeça para justificar o motivo do atraso ou o por que não foi atendido quando ligou, seguir a pessoa etc. são exemplos de que, quando as dúvidas são supervalorizadas, começa o estágio patológico.

O ciúme é como o sal, um pouco dá sabor, muito faz mal à saúde e requer  tratamento. O ciúme é bom quando faz o outro sentir-se importante na sua vida e que você não quer perdê lo e é doentio quando a outra pessoa se sente sufocada, oprimida, agredida e humilhada e até chega a ter medo de te contar alguma coisa, como por exemplo, ter reencontrado um amigo ou uma amiga porque trará discussões.

Não se afaste dos amigos por causa do parceiro ciumento, isto vai alimentar o ciúme e as exigências. Se imponha!"

Sobre quem se relaciona com um ciumento ou ciumenta, como a pessoa deve agir para ajudar o parceiro?
M: A pessoa  que se relaciona com um ciumento, normalmente vive uma relação sofrida, tumultuada e nada prazeirosa. Para evitar conflitos, o companheiro(a) tende a se anular, deixa de usar as roupas que gosta, se afasta da família, amigos, vai se isolando na esperança de trazer paz ao relacionamento, só que esse não é o caminho, pois, esse tipo de comportamento, alimenta o ciúme do outro que vai exigir sempre mais e mais, nunca será suficiente.

0 caminho para se conviver com um ciumento é aprender a se colocar e por limites. Não deixe seus amigos, sua família, seu trabalho. Assim, o parceiro vai aprendendo a lidar com suas dificuldades e vai até procurar ajuda profissional se necessário, e a relação irá evoluir para algo saudável.

Foto de "O ciúme mora ao lado" (2009)

Há como o indivíduo deixar de sentir ciúmes ou ele pode apenas controlar a manifestação do ciúme?
M: Felizmente há tratamento para o ciúme destrutivo. Primeiro a pessoa precisa se conscientizar que esse não é um “jeito de ser”e que está causando sofrimento e prejuízo para si e para o companheiro.  Precisa aprender também a se relacionar sem o controle sobre o outro, porque isso irá provocar o que mais se teme, ele ou ela poderá ir embora por não suportar esse tipo de relacionamento. E deve trabalhar sua auto-estima e ficar seguro para saber que é bom o suficiente para manter quem se ama ao seu lado por ser quem é.

Ciúme é baixa auto-estima. Confie em você, o parceiro te escolheu! E se ele for embora você vai sobreviver!"

Quais dicar práticas a senhora dá para um ciumento conseguir mudar?
M: Algumas, como:
- confie em você, o companheiro(a) tinha outras opções para se relacionar  e escolheu você;
-  cuidado com seus pensamentos e percepções. O ciumento vê as coisas com lente de aumento e tende a estar equivocado quando interpreta as situações que envolvem o companheiro(a);
- o ciúme pode afastar a pessoa que você ama.
- e ,sobretudo, lembre-se: se a pessoa for embora, você vai sobreviver , você já tinha uma vida antes dela.

Foto de "O ciúme mora ao lado" (2009)

Como o ciumento ou o parceiro podem saber a hora de procurar ajuda profissional?
M: O momento para se procurar ajuda é quando o ciúme está causando danos à vida do casal. Muitas  vezes o ciúme desencadeia uma série de problemas como o pensamento obsessivo, transtorno de ansiedade, agressividade que trazem  sérios prejuízos para todas  as áreas da vida. Aí, com certeza, deve-se procurar ajuda profissional.

21 agosto 2013

Casamento

A escolha

O casamento do ano

Recorte do cartaz de "O casamento do ano" (2013)

Enviar por WhatsApp


Mais do que destino. Mais do que coincidência. Uma escolha. E começaram, assim, como todo  amor que se quer ser, começaram por escolher. A primeira escolha foi encontrar, sair de trás da tela do computador para viver uma história que trocasse de telas. É que amar pode ser evoluir de telas, mudar as telas que se ocupa. Mas da tela do computador, onde tudo começou, para a tela de um porta-retrato digital com a foto que algum melhor amigo tirou, percorreram alguns anos, até que a história deles pudesse ir para a tela da TV, a tela do cinema ou, menos pretensiosamente, a tela que a mente projeta ao se lembrar dos momentos fáceis ou difíceis, mas se lembrar de uma história que deu certo. Histórias que deram certo.  Foi por gostarem de uma banda não tão conhecida que eles se tornaram conhecidos e puderam ser trilha de um grupo cada vez mais seleto, o "Grupo da História de Amor que deu Certo". Só que foram além de um gosto musical parecido, da paixão pela mesma área profissional, da história clichê de procurar um espelho, vivida por qualquer um. Eles escolheram ter mais do que gostos, eles escolheram ter um ao outro em comum. Como caminho a amizade e, no peito, marcando os anos passados, um relógio, para cada um saber que nunca mais no tempo estaria sozinho, pois, quando se tem um amor-amigo, a verdade é que posso brigar com o amor enquanto no amigo me refugio. E se refugiaram e se escolheram, a cada dia, a cada tempo, a cada novo passo rumo ao recomeço. Pois seriam, e são,  o que a vontade de ter sido deixou de trazer a cada amor que ouviu "não". Menos do que ter a  uma década que já se contava, de cada ano a ser, o amor a vir é que importava . Se a Esperança, finalmente, pedisse o Tempo em casamento, eles seriam o "sim". Se a Amizade, discretamente, se casasse com o Amor, eles seriam a aliança. Se a Felicidade, aleatoriamente, jogasse algo para levar sonho a um grupo de Tristezas, eles seriam o buquê.  Se a Dúvida, corajosamente, deixasse o Medo e se unisse à Certeza, eles seriam o filho. A história deles é mais do que, na tela, a história de um filme que continua ou a da felicidade que convinha,  é a história que você queria que fosse a tua, a história que eu queria que fosse a minha. Mais do que fotos, um evento, para viver um local e planos de um herdeiro, eles tinham amor e amizade -  o mais raro, o mais caro, o que fazia ser verdadeiro. O que os unia era a coragem de tentar, e, se você tem a coragem como escolha, não há amor que não se colha. A vida os fez chegar um ao outro, mas foram eles que escolherem permanecer. Em um tempo de pular de caso em caso, eles se disseram "eu caso". É que em um mundo onde amar se tornou casual, eles escolheram ser um casal. Mais do que sorte. Mais do que um acaso à toa. Uma escolha.

Dedicado aos meus amigos Roberta Araújo e Márcio Luiz. Que o amor de vocês possa ser ainda mais feliz com o casamento. Eu e todos os Vodkas amamos e nos orgulhamos de vocês!

14 julho 2013

Quem faz sexo casual costuma ser mais ansioso e depressivo, diz estudo (e outras notícias de amor)

Direto ao que interessa e sem dramas

Sexo sem compromisso
Recorte do cartaz de Sexo sem compromisso (2011)

Um giro ligeiro e prazeroso pelo que anda sendo publicado sobre amor e relacionamentos na Internet.

Quem faz sexo casual costuma ser mais ansioso e depressivo, diz estudo
Em um momento no qual serviços virtuais para encontros casuais (e físicos) -  como o Bang with friends, que possui mais de um milhão de usuários - são usados por milhares de pessoas, os resultados de uma pesquisa são desanimadores. O blog Ciência Maluca da Super mostra um estudo da Universidade da Califórnia com a seguinte conclusão: sexo casual pode te deixar ansioso e deprimido. Em um levantamento com estudantes sobre bem-estar e autoestima, os participantes que haviam feito sexo com pessoas conhecidas há menos de uma semana demonstraram índices mais altos de estresse, depressão e ansiedade. A causa, segundo a pesquisa, seria a sensação de vazio e a tristeza provocadas pelo arrependimento.

Uma pesquisa puritana ou verídica? Estaríamos nós culturalmente condicionados a querer sempre algo mais após o sexo?

Sexo rejuvenesce a pele, afirma pesquisador
Agora, se você não se preocupa com os resultados da pesquisa acima e pratica livremente o sexo casual ou não casual, comemore: um estudo do psicólogo David Week do Hospital Royal Edinburgh mostram que aqueles que fazem sexo três vezes por semana costumam aparentar menos idade do que possuem. A Super diz que a explicação é que o sexo libera endorfina que pode aumentar a produção de hormônio do crescimento, responsável pela elasticidade da pele.

Se vier a depressão do sexo casual, pelos menos a pele estará bonita, hein? :P

Foi bom para você? Até a próxima rapidinha!

25 junho 2013

Se diz

Como falar 


Recorte do cartaz de "To the wonder" (2012)

Enviar por WhatsApp


Quando outra boca sem qualquer fala chega e te cala, quando o coração acalma e você se encontra feliz, só então você vive algo sem saber como se diz. Se a vontade de estar junto invade e traz todas as cores para afastar as dores, se diz amizade. Se a todo momento se recusa o não para encaixar o sim, se diz a fim. Quando perdeu lugar o talvez, se diz satisfez. Se você não vai pelo local ou pela programação, se diz paixão. Quando nunca à ausência se relega e a presença não se nega, se diz entrega. Se pensar em tudo é menos presente do que vivenciar, se diz gostar. Quando o cheiro vem à mente sem o outro estar por perto, se diz eterno. Se traz alegria ainda antes e ainda que depois parece deixar a vida no ponto, se diz encontro. Se a história continua mesmo quando a alma em outro plano ponho, se diz sonho. Quando os outros agora parecem um desvio e você onde fico, se diz destino. Quando as pequenas coisas fazem com que a alegria se espalhe, se diz detalhe. Se a falta de tempo é menor do que a vontade de ter por perto, se diz o certo. Se os erros são algo a superar e se aceitar que a gente é o que pode ser, se diz querer. Quando ninguém mais que chega parece te abraçar de verdade, se diz saudade. Se o tempo passa e do para onde eu me guiar continua sendo você o norte, se diz sorte. Se há no começo e no fim do dia alguém para dividir as besteiras do coração, se diz sem solidão. Quando a mentira de aparecer perde o sentido e a vontade, se diz ter alguém de verdade. Se sabe que no mundo há bilhões de outras pessoas-possibilidades, mas que você nunca mais vai precisar de nenhuma delas, se diz escolha. Se for para chamar pelo lugar seguro contra as dores do percalço, se diz abraço. Quando a presença aquieta o que a vida cansa, se diz esperança. Quando o que dói já se não atura e acabou se quer dizer, se encontra o que cura e algum jeito de deixar de dizer. Quando não cabe mais no peito, ainda que sem encontrar onde mais caiba no mundo, se diz meu por direito. Quando o outro te inspira por estar ali sempre do lado de dentro, se diz pensamento. Quando o contrário de estar só é estar a sós, se diz nós. Se é o que está e o que não está, como se diz? Se distância, quando aquém, se distingue, quando aqui. Mesmo que se possa viver sem precisar dizer, para aquietar se deve falar. Quando sentiu e se decidiu, se diz. Então, se diz tanto, se diz tudo, se diz teu. Quando chega e fica, quando mesmo indo permaneço, quando sai o fim e só resta o começo para onde for, se diz amor.

31 maio 2013

Entrevista - Como encontrar um amor? (Márcia de Oliveira)

O que fazer e evitar na busca amorosa

Recorte do cartaz de "Medianeras" (2011)

Uma em cada três pessoas prefere conhecer um futuro parceiro pela Internet do que em uma boate. O dado é dos resultados de uma pesquisa realizada pelo site de relacionamentos Badoo.com. Independentemente da forma, o que grande parte dos solteiros deseja é encontrar um grande amor e para isso, não há lugar ideal. É o que o ensina a psicóloga, Márcia de Oliveira, co-fundadora da Clína Amor e Timidez e idealizadora do Brasilis, site voltado ao encontro entre brasileiras e britânicos. Ajudando há anos casais a se encontrarem e se acertarem em uma relação, ela fala sobre como encontrar um amor e afirma: "os livros e filmes de amor prestam um desserviço, pois levam as pessoas a idealizar a busca por um amor".

Muitas pessoas desejam encontrar um grande amor, mas a pergunta é como? Amigos de amigos, baladas, Internet, há algum jeito ideal para encontrar um amor?
M: Não existe um jeito ideal de encontrar um grande amor. Todos somos diferentes, assim sendo a situação que me deixa à vontade (como, por exemplo, uma balada) pode ser aquela que te deixa mais desconfortável, e, portanto, a menos apropriada para um romance. Muitas pessoas ficarão surpresas, mas pesquisas demonstram que a maioria dos relacionamentos têm início a partir da apresentação de amigos. As baladas ficam lá atrás, com uma pequena porcentagem! O local ideal para encontrar um amor é aquele onde você está totalmente à vontade, seja o ambiente de trabalho, a Internet ou até mesmo o elevador.

Se a pessoa idealiza não encontra um amor, pois ninguém chega à altura da projeção e se acaba sempre só"

Quais costumam ser os erros mais comuns das pessoas especificamente no processo de busca por um amor e como evitá-los?
M: Eu acredito que o principal erro cometido pelas pessoas na busca amorosa é a idealização. A pessoa elabora uma imagem perfeita do parceiro e parte em busca desta criatura impossível. No final ninguém chega à altura daquela projeção e a pessoa acaba sempre sozinha. Devemos nos lembrar de que nenhum ser humano será capaz de satisfazer todas as nossas exigências, eles sempre serão um “pacote” de qualidades e defeitos. Quando você compra uma casa sempre há uma coisa ou outra que não vai ao encontro daquilo que você sonhou (a cozinha é ótima, mas o banheiro é muito pequeno, ou coisa do tipo), mas você acaba fazendo concessões porque os pontos positivos superam os negativos. Os relacionamentos amorosos deveriam funcionar da mesma maneira, as pessoas precisam ser capazes de pesar estas características e evitar que a idealização destrua as coisas boas que podem vir daquele amor.

Recorte do cartaz de "Medianeras" (2011)

É preciso focar em um só modo de procurar um amor ou quem está em busca deve tentar em todos os lugares e momentos?
M: Como você mesmo sugeriu, toda hora é hora, todo lugar é lugar. O amor é uma manifestação espontânea e pode surgir nas mais inusitadas situações. Infelizmente há determinadas crenças, como a de que frequentar baladas é essencial para quem está em busca de um parceiro, quando, na verdade, lugares assim costumam ser os menos adequados. Se não acredita em mim quando digo que todo lugar é lugar, é só perguntar para amigos e familiares como eles conheceram a sua “cara-metade”. Cada pessoa possui uma história diferente, mas todos possuem em comum o fato de que se não estivessem “abertos” não teriam aproveitado as suas respectivas oportunidades.

A maior parte das relações tem início a partir da apresentação de amigos em comum, as boates ficam em último lugar"

A busca pelo amor pode ser realizada pela Internet há algum tempo. Qual o perfil geral das pessoas que recorrem a esses serviços?
M: No finalzinho dos anos 1990, a Internet era conhecida como um reduto de pessoas mais inibidas ou socialmente inaptas (os “nerds”), principalmente quando o assunto era o amor. Conhecer alguém via Internet era visto como algo “inferior” e poucos utilizavam ou pelo menos admitiam utilizar este método. Felizmente tudo isso mudou e atualmente todos fazem uso desta ferramenta maravilhosa que temos à disposição. A Internet aproxima pessoas que de outra maneira jamais conheceriam umas às outras, não somente em termos geográficos, mas também de classes sociais, idades, profissões... Enfim, muitas pessoas recorrem à internet para conhecer novos parceiros, seja através de salas de chat, fóruns, ferramentas sociais como o Facebook e o Orkut ou através de sites especializados como o Brasilis. A Internet também é o paraíso das pessoas mais pragmáticas, ou seja, pessoas que procuram um amor baseado em alguns pré-requisitos. Ela dá a você a oportunidade de pesar com calma os prós e os contras antes de dar prosseguimento a um relacionamento, coisa que não acontece em outras situações.

Recorte do cartaz de "Medianeras" (2011)

Como os psicólogos fazem os estudos de compatibilidade amorosa, em agências de namoro físicas ou virtuais, para dizerem as chances de um casal dar certo?
M: Algumas agências utilizam um sistema extremamente simplificado de cruzamento e isso acaba gerando problemas e situações constrangedoras para os usuários. As agências mais sérias geralmente contam com o apoio de psicólogos e pesquisadores que têm a capacidade de desenvolver ferramentas mais sérias para este fim. Assim sendo, o cruzamento de parceiros será baseado não somente em aspectos mais objetivos como idade, peso, altura e nível de escolaridade mas também em questões mais qualitativas como o que se espera de um parceiro, o que se espera de um relacionamento e até mesmo traços de personalidade. Em nosso caso, também dispomos de ferramentas psicológicas que nos permitem avaliar a maneira como amamos e gostamos de ser amados, e elas se mostram extremamente úteis na hora de encontrar uma pessoa compatível.

A Internet ajuda a encontrar um amor, o que não se pode fazer é ficar somente no contato virtual, é preciso ser 'real'"

Grande parte das pessoas sonha viver grandes histórias e espera o destino trazer alguém, como nos filmes. Encontrar um parceiro em um site não parece artificial, desesperado ou arquitetado demais?
M: Voltamos à questão da idealização. Eu adoro o gênero de filmes que você mencionou, mas, como os livros, eles alimentam ainda mais a nossa fantasia e em alguns casos nos afastam da realidade. Toda história de amor é uma grande história de amor, não importa se você conheceu a pessoa numa viagem à Paris ou em uma briga de trânsito. As pessoas idealizam demais o amor e esquecem que a felicidade pode estar mais perto do que elas imaginam, basta abrir os olhos e é claro, o coração. A Internet é uma ferramenta moderna e quando bem utilizada pode facilitar a aproximação de pessoas que por um ou outro motivo não se encontrariam na “vida real”.

Recorte do cartaz de "Medianeras" (2011)

O que não pode acontecer é a pessoa ficar somente no contato virtual, devemos sempre nos lembrar de que a Internet deve servir como uma ponte para o contato real com as pessoas. Alguns utilizam esta ferramenta porque gostam de fazer uma pré-seleção baseada em determinadas características (os pragmáticos que mencionamos anteriormente). Outros utilizam a Internet porque simplesmente não têm tempo de conhecer pessoas por questões de trabalho ou outras razões. Os jovens fazem uso da rede porque cresceram acostumados à ela, e para este pessoal o amor virtual é tão real quanto qualquer outro. Também não podemos nos esquecer de que hoje em dia a Internet está muito mais avançada e o contato não se limita apenas aos emails ou salas de chat. Quando você conhece alguém pode quase que imediatamente engatar uma conversa via MSN/Skype e sentir se aquela moça ou aquele rapaz são realmente o que está procurando.

É possível, mas é difícil que um contato iniciado em sites ou aplicativos de sexo casual se transforme em uma relação duradoura"

Há também na Web e nos celulares um número crescente de sites e aplicativos para a busca de sexo casual. As pessoas falam sobre amor eterno, mas na prática se interessam mais por relações não duradouras?
M: Existem visões diferentes em relação ao amor, mas também existem momentos diferentes que cada um de nós pode estar vivendo em relação a ele. Em outras palavras, há pessoas que enxergam os relacionamentos de uma forma mais sexual e pulam de um relacionamento para o outro como eu e você mudamos de roupa. Essas pessoas são felizes assim e não acham que há nada errado com o seu jeito de amar. Além disso cada um de nós também pode passar por uma fase de relacionamentos mais casuais entre e um e outro mais duradouro. Pessoas que sofreram uma grande decepção podem optar por uma sequência de relacionamentos mais superficiais antes de entregar-se novamente a somente uma pessoa. A Internet também é muito útil nestas circunstâncias, uma vez que oferece uma infinidade de serviços que facilitam o sexo casual. Não há nada de errado nisso desde que a pessoa reconheça a natureza destes serviços e não espere encontrar um amor para a vida toda (apesar de que isso pode acontecer, ainda que as chances sejam muito pequenas). Quando você busca um site para conhecer alguém é importante estudar o serviço com bastante atenção para decidir se ele vai ao encontro de suas expectativas. Além disso, vale lembrar aquela frase do padre francês Curé D’ars, “Amamos uma coisa na proporção do que ela nos custou”, ou seja, se você e a outra pessoa perderam apenas cinco minutos preenchendo um cadastro com meia dúzia de questões, as chances de que este relacionamento irá para frente serão muitíssimo pequenas.

Recorte do cartaz de "Medianeras" (2011)

Dentro ou fora da Internet, um problema comum das relações é descobrir com o tempo que o outro não era nada do que se pensava ou parecia ser. Como não cair nesta armadilha?
M: Infelizmente, nenhum de nós possui uma bola de cristal e a única maneira de conhecer alguém de verdade é passando mais tempo com esta pessoa e vendo como ela se comporta em diferentes situações. Por mais que você tente antever determinadas características ainda pode surpreender-se negativamente mais para a frente e isso pode pesar muito na hora de decidir pela continuidade do relacionamento. Por outro lado, se as pessoas com quem você se relacionou sempre deixaram esta má impressão isso pode significar que você está idealizando demais e quando se depara com a realidade sente que foi completamente enganado. Outro erro comum cometido pelas pessoas é a crença de que os parceiros devem ser completamente diferentes para que ambos possam “se completar”. Isto não é verdade, os relacionamentos duradouros são geralmente compostos por pessoas que possuem muita coisa em comum (semelhanças), chamamos isso de homogamia. Se você sofre uma decepção atrás da outra há uma pequena chance de que seus valores estão um pouco “descalibrados”.

Se a pessoa já tentou de todas as fomas e continua sozinha pode ser a hora de procurar um psicólogo ou terapeuta"

Às vezes a pessoa já tentou de todas as formas encontrar um amor duradouro e não teve sucesso, seja por não encontrar alguém compatível ou interessado em algo sério. O que fazer: aceitar que não é fácil ou procurar terapia, pois pode ser com esta pessoa o problema?
M: Os relacionamentos amorosos não são fáceis e voltando ao assunto dos filmes, estes não prestam nenhum favor passando a impressão de que tudo sempre acaba bem. Além disso é uma característica comum dos seres humanos a sensação de que “a grama dos outros é sempre mais verde”, ou seja, achamos que todos estão amando e sendo amados, menos nós. Se você já tentou de todas as formas e até hoje continua sozinho ou sozinha, faça um exercício de auto-análise e tente descobrir qual foi a sua parcela de culpa em todos estes fracassos. Peça também a opinião sincera de amigos e familiares, e se concluir que está de fato exagerando em algumas coisas não tenha vergonha de procurar a ajuda de um psicólogo ou terapeuta. Um profissional capacitado terá condições de ajudá-lo a enxergar os próprios erros e oferecerá as ferramentas necessárias para que possa corrigi-los, aumentando as suas chances de encontrar seu grande amor.

Fale com o blog

Envie o seu email para o blog.

Nome E-mail * Mensagem *